domingo, 26 de abril de 2009

Os livros e as feiras de antigamente.


Domingo de chuva. Particularmente dias chuvosos e cinzentos não me atraem. Prefiro a luminosidade do Sol. Dizem que na Dinamarca os raios solares pouco atingem o país. Mesmo durante o dia parece noite. Por sua vez, o índice de suicídios é bem alto, apesar do IDH elevado. Segundo consta, a relação da falta de luz tem a ver com os estados depressivos das pessoas que lá vivem.

Ainda assim fui à feira comprar um tapete para porta de entrada de nossa casa. Foi meio difícil, pois gostei de um e minha filha de outro. Acabei optando pela escolha dela, que tem muito bom gosto: tapete cheio de florzinhas coloridas. Não resistimos e escolhemos também pulseiras indianas lilases bem femininas.

A feira não estava muito animada por conta da chuva e, por óbvio, ausência do Sol. É muito divertido passar a manhã de um dia ensolarado, de preferência num domingo em que as famílias saem para passsear. Nós temos por hábito ir direto ver os cães e gatos que lá são vendidos. Depois bater muitas pernas lá e cá só para ao final tomar caldo de cana com pastel. O mais delicioso é ver crianças lambuzadas em sorvetes, algodão doce ou divertindo-se numa pipa ou pião. Às vezes me lembro da infância quando meu pai nos levava às feiras para fazer compras e minha mãe tinha por hábito trocar gibis, discos vinis e revistas. Sempre havia um exemplar novo-velho para lermos. Mamãe também gostava de ler Sabrina; engraçado, nunca gostei delas, acha-as desinteressantes, histórias bobas. Gostava mesmo era dos livrinhos de literatura. Machado era tudo de bom e Capitu me marcou desde aquela época. Será que ela traiu Betinho?, perguntava-me.

Porém noto que hoje não há mais esse tipo de troca nas feiras, ao menos aqui em Brasília. O negócio do momento é o sebo de livros que, apesar de mais em conta, ainda é caro a quem não tem recursos. As feiras de livros então, sem comentários! É lamentável que no Brasil o livro ainda seja objeto voltado à elite e o índice de letramento tão baixo. Acredito que tudo esteja relacionado à cultura educacional do país.

Ainda assim existem boas iniciativas. O projeto "Parada Cultural" é um exemplo disso. Ou seja, nos pontos dos ônibus da cidade existem estantes de livros e qualquer um pode levá-lo para ler. Ideia genial, uma vez que mesmo sem hábito de leitura pela população, sempre haverá alguém por deleitar-se num dos livros.
Hoje senti saudades das feiras da infância. Só que naquele tempo papai comprava biscoitos de povilho ou picolé de limão. Era bom demais!
RB.












5 comentários:

  1. Picolé de limão! Será que farei dele uma limonada? É bem possível que não....

    ResponderExcluir
  2. "O mais delicioso é ver crianças lambuzadas em sorvetes, algodão doce ou divertindo-se numa pipa ou pião". Este texto refere-se as crianças dos outros, pois você nunca deixou a Tami se lambuzar.
    P.S Esqueceu que sua mãe comprava maça do amor prá ver você se lambuzar? Não conseguia, você era uma criança fina.

    ResponderExcluir
  3. Mas amore, em nenhum momento disse que gostava de ver nossa filha lambuzada. Divertido mesmo é ver outras crianças!
    Rs

    ResponderExcluir
  4. Criança fina!! Adulta chique!!

    ResponderExcluir
  5. Meu amor me entrega mesmo!
    Roberta, você é incrível!
    Bjus!

    ResponderExcluir